23°C 26°C
Recife, PE

Como incluir a pessoa com autismo nas festas juninas?

A psicóloga Frínea Andrade traz orientações de como as escolas e as famílias podem promover comemorações inclusivas

15/06/2024 às 09h53
Por: Agenda News PE
Compartilhe:
Foto: Assessoria de Comunicação/divulgação
Foto: Assessoria de Comunicação/divulgação

A chegada do mês de junho marca o início das festas juninas, muito conhecidas pelas fogueiras,  os fogos de artifício, as comidas típicas, as músicas e as danças empolgantes, como forró, xote e o baião. Por ser uma das festas mais queridas e tradicionais do Nordeste, as celebrações precisam ser inclusivas para garantir a participação de todas as pessoas, inclusive de crianças neurodivergentes. 

Considerando os diversos estímulos sensoriais destes festejos, a psicóloga Frínea Andrade, especialista em Transtorno do Espectro Autista e em Análise do Comportamento Aplicada, traz orientações de como tornar as celebrações mais inclusivas, evitando possíveis incômodos no corpo e na mente de pessoas autistas. 

“As pessoas neurodivergentes fazem parte deste mundo e elas precisam vivenciar as festividades, não somente as juninas, mas todas as comemorações do nosso calendário cultural, para ter a oportunidade de sociabilização, desenvolver laços comunitários e incorporar a nossa cultura”, destaca a psicóloga. 

Como as escolas podem promover festas juninas inclusivas?

Fazer um planejamento de forma antecipada
Estabelecer uma comunicação sobre a festa com a família e a comunidade terapêutica
Realizar adaptações no volume do som e na intensidade das luzes
Oferecer espaços silenciosos, caso a criança precise se acalmar e se reorganizar
Deixar a criança participar das apresentações no seu ritmo e do seu modo, sem impor padrões
Autorizar a participação do assistente terapêutico (AT) na apresentação sempre que o aluno necessitar de apoio

“Em todo evento é importante fazer uma aproximação sucessiva da criança, que nada mais é do que, gradativamente, apresentar o novo à pessoa com autismo. Para isso, as escolas, as famílias e a comunidade terapêutica devem, em conjunto, preparar a criança para vivenciar aquele momento através de estratégias como histórias sociais com o uso de imagens, comunicar a criança sobre os ensaios, fazer uma contagem regressiva do dia do evento com o calendário, aumentar o som da música gradativamente durante os ensaios para irem acostumando. Para as crianças que tiverem sensibilidade auditiva é importante que a família ou a escola disponibilize um abafador”, explica Frínea Andrade, que também é diretora do Instituto Dimitri Andrade. 

Como as famílias podem preparar as pessoas atípicas para as vivências juninas?

Vestir a roupa que será utilizada no festejo dias antes em casa para a criança ir se acostumando e não ficar incomodada no dia. Se for o caso, levar a roupa para a terapia para que o profissional de terapia ocupacional faça este trabalho de dessensibilização
Dançar com a criança em casa para que ela se adapte às músicas e aos passos das danças
Mostrar imagens e vídeos sobre as festas juninas para familiarização  

“Como as pessoas com autismo costumam ser pensadores concretos, a apresentação e a antecipação das coisas que acontecerão na festa através de imagens e vídeos, o que chamamos de história social, ajudam na organização mental do autista. Uma outra orientação super importante é que os pais cheguem na festa cedo, quando a pista está mais vazia, para a criança ir se adaptando ao ambiente”, destaca a especialista. 

O que fazer nos casos em que a pessoa com autismo se desorganiza?

“O episódio de desorganização deve ser tratado de maneira muito tranquila. Então, se a minha criança se  desorganizou, eu tenho que passar pra ela segurança e ser empático. A primeira coisa é afirmar para ela que entende que ela está passando por uma sobrecarga sensorial e que está tudo bem. É importante retirar do ambiente de forma acolhedora, levar para um ambiente com menos estímulos, como uma sala preparada para isso ou para dentro do carro, fazer pausas, sair e voltar à medida que a criança se reorganizar”, orienta Frínea Andrade, que também é mãe de adolescente com autismo. 

A especialista ainda chama atenção para a importância de evitar utilizar fogos de artifício barulhentos. “Devido à sensibilidade auditiva, pessoas com autismo podem ser fortemente impactadas por esses barulhos e se desorganizar. Pensando também nos animais, nos idosos e nas pessoas que estão hospitalizadas, o ideal é não soltar fogos”, diz Frínea Andrade.

Recife, PE
26°
Parcialmente nublado

Mín. 23° Máx. 26°

27° Sensação
7.72km/h Vento
73% Umidade
100% (17.63mm) Chance de chuva
05h34 Nascer do sol
05h17 Pôr do sol
Dom 26° 23°
Seg 26° 23°
Ter 25° 23°
Qua 26° 24°
Qui 26° 22°
Atualizado às 02h05
Economia
Dólar
R$ 5,60 +0,00%
Euro
R$ 6,10 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,63%
Bitcoin
R$ 395,287,74 -1,15%
Ibovespa
127,616,46 pts -0.03%
Lenium - Criar site de notícias